Assim como todo garoto na infância, Ricardo sempre acompanhou as rotinas das partidas de futebol. Ao lado de seu pai, Bene Sobrinho, que era atleta profissional, Ricardo estava no estádio, vivenciando aquilo que um dia gostaria que fosse seu chão. Atuou nas categorias de base do Grêmio, mas por não ter grande destaque acabou desistindo de seguir a carreira nos gramados. Mas a paixão pelo futebol não o deixou desistir de vivenciar o esporte.

Dizem que os olheiros possuem o dom de conhecer aqueles que um dia irão brilhar nos gramados. Com o avanço da tecnologia, no entanto, estariam perdendo espaço e oportunidades em suas carreiras. Bem, não foi exatamente o que aconteceu com Ricardo Sobrinho.

Certo dia, o jogador Bruno Collaço pedira para editar um vídeo de suas melhores jogadas que seriam apresentadas para um empresário. No pedido do amigo, enxergou uma oportunidade. Os empresários dos jogadores pediam DVDs para Ricardo, para uma seleção de melhores jogadas do atleta. A partir disso, passou a ver jogos gravados, separava os melhores lances, editava e desenvolvia para o empresário mostrar para o clube que estava interessado no jogador.

Mais tarde, abriria uma empresa que prestava serviços de edições de vídeos para os atletas, clubes e empresários: a Sports 21, hoje sob gestão de seus sócios. Assim como todo início de um negócio, Ricardo foi se especializando e estudando futebol. Já na área de observador técnico dos atletas, onde criava protocolos de análise e banco de dados de milhares de jogadores.

No início de 2015, veio a grande alavancada na carreira. Começou a trabalhar no Internacional de Porto Alegre, exercendo a função de observador técnico das categorias de base e também no auxílio e na prospecção de atletas para o grupo de jogadores da equipe profissional. E, para desempenhar este trabalho, leva em conta quatro aspectos fundamentais: técnica, tática, preparação física e comportamento. O peso de cada um dos itens depende da posição dos atletas, as características físicas, técnicas e táticas desenvolvidas por um goleiro, por exemplo, são totalmente diferentes daquelas necessárias para um atacante.

Do início com a produção de vídeos até o momento atual, o que mudou na rotina de Ricardo foi o uso da tecnologia, que estava mais presente no sei dia a dia. Um exemplo foram os softwares de análises que o auxiliaram na avaliação das jovens promessas. Segundo Ricardo, foi preciso aprender o mais rápido possível como utilizar novas ferramentas para aperfeiçoar os resultados finais.

Atualmente, o Internacional utiliza um software de análise em que são armazenadas informações durante as partidas. Assim, é possível obter resultados em tempo real e auxiliar a decisão dos treinadores.

Hoje, muitos clubes brasileiros possuem um departamento de captação de jogadores. Um dos exemplos é a estrutura das categorias de base do Atlético Paranaense, e para Ricardo faz uma forte concorrente no mercado. Trabalhando sempre o uso da tecnologia no seu ambiente de trabalho, o observador não acredita que as máquinas possam substituir o profissional, mas ressalta que um auxilie o outro. E para isso, o principal aspecto que o observador técnico precisa ter nos dias de hoje é ser interessado em buscar capacitações e software que auxiliem o trabalho.

Comentários